sexta-feira, dezembro 05, 2008

Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais - por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia –qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido. Eu prefiro viver a ilusão do quase, quando estou "quase" certa que desistindo naquele momento vou levar comigo uma coisa bonita. Quando eu "quase" tenho certeza que insistir naquilo vai me fazer sofrer, que insistir em algo ou alguém pode não terminar da melhor maneira, que pode não ser do jeito que eu queria que fosse. Eu prefiro viver com a incerteza de poder ter dado certo, que com a certeza de ter acabado em dor. Talvez loucura, medo, eu diria covardia, loucura.. quem sabe.

_Caio Fernando de Abreu.

4 comentários:

Violeta disse...

Caio é meu preferido
Vou linkar
Adorei o blog
.
beijo
=)

O Sibarita disse...

Ô dona moça! kkk Esse negócio de "quase" né comigo não!

Que nada fia! Dúvidas? Não, não faz meu genero não! kkkkk

Comigo: ou é ou não é e táis dito! kkkkkk

Imagine, eu querer ganhar uma criatura e ai eu penso: Bom se eu partir para ela posso tomar um não, se não partir não tomo um não, mas, em compensação eu enrolo a mim próprio e digo: É "quase" foi minha namorada!

Baiano tem disso não, isso tá mais para os tucanos que só andam em cima do muro é ou não é! kkkkkk

bjs
O Sibarita

Anónimo disse...

leggere l'intero blog, pretty good

MCMELT OTSERV - Venha se divertir disse...

eu queria ter lido isso antes... queria ter lido isso na primeira semana do mês passado... isso teria me inspirado em terminar no quase... por eu ter insistido em algo que eu sabia que doeria, hoje eu sofro com a dor de ter perdido até a amizade e as coisas bonitas desta pessoa... nem nos falamos mais... por isso... eu digo... não tem nada de mal em terminar do quase, na dúvida, se é para proteger...